Usas Máscara?

Usas Máscara ou és Genuíno?
Usar máscara dá trabalho. Exige esforço. É preciso estar em constante alerta para ninguém nos apanhar em falso…
Usar máscara cria habituação. Prende-nos, como uma qualquer teia ou droga…

No entanto, não duvido que, para muitos, esconder-se atrás da máscara pode até ser mais confortável. Mas tem validade, é frágil…pode rasgar-se, manchar-se ou até cair…
O velho ditado sábio “mais vale sê-lo que parecê-lo” já queria alertar para isso mesmo…

Ser Genuíno… ou escolher Ser Genuíno é muito diferente.
Dá-nos segurança. Deixa-nos soltos e livres para sermos quem somos. Dá-nos legitimidade para nos levantarmos mais fortes, se cairmos.
Reforça-nos a autoestima, diminui-nos o medo de pensar diferente, inspira-nos a acrescentar paixão ao que fazemos, alimenta-nos o nosso lado mais humano, encoraja-nos a partilhar valor…

Tal como usar Máscara, sentes que também isto é trabalhoso?
Pensas que também exige demasiado esforço?

O que escolhes então fazer? Usar Máscara ou Ser Genuíno? Sobreviver ou Viver?

Revela o Melhor de Ti.
Dá cor à Vida  😉

Mentiras, Ilusões e Óculos com lentes Cor-de-Rosa

Recentemente, a minha filha caçula escolheu fazer um trabalho, para a disciplina de Português, sobre um livro que fala da nossa opção em colocar óculos com lentes cor-de-rosa para enxergarmos a vida.

Foi enriquecedor debater isto com ela… fizemos uma ronda por nós próprias e pelos que nos são mais próximos e, divertidamente, percebemos quem de nós tem tendência para utilizar, mais frequentemente, os tais óculos…

Percebemos que existem alguns que nem sabem da sua existência e da sua utilidade nas horas mais cinzentas, enquanto outros têm tamanha dependência deles que nem se permitem ver a vida com outras cores.
O livro fala precisamente disto. Escolher ver o mundo e a vida só de uma cor impede desenvolver o conhecimento das coisas. E, na maioria das vezes, impede-nos de enxergar a realidade.

A minha filha, em forma de suspiro, acrescenta: “às vezes até dá jeito mudar a cor das coisas para torna-las mais positivas, quando elas são feias e nos causam tristeza…”

Sim, concordo. Concordo absolutamente. Às vezes é preciso sim. Às vezes é preciso agarrarmo-nos aos óculos com lentes cor-de-rosa só para conseguirmos descansar um bocadinho… descansar o suficiente até ao dia que dizemos “basta” e escolhemos tirá-los de vez.

Ainda na nossa prazerosa conversa, exploramos que existem muitas pessoas que, ao pressentirem a Verdade a aproximar-se, preferem ir, num relance, buscar as conhecidas amigas lentes rosa.

Ao concordarmos, até sorrimos, visualizando-as dramáticas, em câmara lenta, a abanarem a cabeça, em forma de negação… enquanto pintam a visão da realidade de rosa, assim que colocam os óculos.

Sorrimos e suspiramos ao mesmo tempo. Sentimos pena e simpatia por elas. Têm medo que a ilusão se transforme em desilusão. E têm razão. Desde quando é que alguém quer perceber que viveu numa bolha de mentira?

– Mas ó mãe, às vezes é preciso quebrar-lhes a bolha cor-de-rosa, não achas?! – questiona-me expectante.

Penso, pausadamente, antes de lhe responder… revejo, em segundos, tantos casos que conheço. E respondo:

– Sim. Claro que sim. E isso é, definitivamente, querer-lhes Bem. Porque a Sinceridade pode doer sim, mas só mantém a dor nas pessoas que preferem viver num mundo de Ilusão e Mentira.

A Mentira prende, a Verdade liberta. A Verdade solta-nos e permite-nos redesenhar a Vida e pincelá-la com novas cores!

Existe maior Liberdade?

 

Adoro Ser Mulher

Adoro Ser Mulher. Imaginem esta frase dita com uma voz encorpada. Segura. Sincera. Em jeito de afirmação porque a grandeza da sua simplicidade dispensa qualquer tom de exclamação.

Imaginem só… sentiram?

Agora é a minha vez:
– “Eu Adoro Ser Mulher”.

Ok. Já o disse. Respiro fundo… consegui faze-lo sem utilizar um tom a roçar o histérico ou um tom afónico, sem a manifestação de qualquer tom.

Consegui dize-lo, mas nem sempre foi assim… houve vezes em que a vida me levou a alterar o tom.

Em miúda lembro-me de desejar ser rapaz… parecia-me que, se o fosse, tudo seria muito mais fácil… e ainda agora, se pensar bem, existem momentos, diria os menos equilibrados (vá-se lá saber porquê!), que adoraria ser tudo menos mulher…

Mas sem precisar de pensar muito, apercebo-me que cada vez menos vivencio momentos desses… talvez porque, cada vez mais, Adoro Ser Mulher. De verdade. De forma inteira. Sentida. Vivida. Colorida.

Adoro Ser Mulher-Mãe, Mulher-Filha, Mulher-Companheira, Mulher-Amante, Mulher-Amiga, Mulher-Empreendedora, Mulher-Cidadã, Mulher-Voluntária, Mulher-Dona-de-um-Cão…até mesmo Mulher-Dona-de-Casa…

É deveras desafiante! Por isso a necessidade de se treinar a voz e dar-lhe corpo. É preciso corpo de Mulher para se dizer Adoro Ser Mulher. É preciso Sermos Mulheres (Mulheres com M grande)…embora às vezes aconteça sentirmo-nos mais mulheres do que Mulheres.

Mulheres com M grande marcam posição e fazem revoluções. Revoluções pessoais.
Revolucionam-se. Por dentro. Observam o que sentem. E, se não se sentem bem no seu Ser, mudam. Decidem começar a mudar. E avançam. Sem ilusões. Só com a verdade.

Mulheres com M grande têm amor-próprio e vontade como força. Não precisam de viver a vida a olhar para o lado, para dentro de um livro ou de um filme. Aprendem a ser responsáveis pelas suas escolhas, não precisam desejar as escolhas e as conquistas das outras …

Mulheres que amaiúsculam o M escolhem viver, em vez de sobreviver. Têm vontades e não desejos.

Desejos são impulsos. Vontades são fortes quereres.

Desejos satisfazem carências, dependem de outros e são satisfeitos pelos outros.

Vontades merecem-se, são independentes ao mesmo tempo que, livremente, podem interdepender de outros.

Desejos sonham-se e alcançam-se por compensações. Vontades fazem-se e fazem-nos chegar.

São as Vontades que nos diferenciam. Podem assustar, acelerar o coração e fazerem-nos parecer loucas, mas transbordam coragem para, sem exclamar nem balbuciar, sem máscaras nem disfarces, conseguirmos dizer tranquila e maravilhosamente:
– “Adoro Ser Mulher”.